Consórcio Brasileiro de Superfícies Frias desenvolverá diretrizes técnicas para produtos que oferecem eficiência energética

Compartilhe:

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email

Publicada em: 13/03/2015

Escopo de trabalho será apresentado na Sala das Orquídeas, na Feicon, em São Paulo

Entre as ações de mobilização da indústria da construção em prol da eficiência energética no cenário de crise atual, o Consórcio Brasileiro de Superfícies Frias promoverá, durante a Feicon Batimat 2015, uma discussão sobre as diretrizes técnicas que estão sendo desenvolvidas para qualificar produtos que oferecem conforto térmico e eficiência energética nos edifícios e simultaneamente combatem as ilhas de calor urbanas.

Formado por cinco empresas líderes de mercado da cadeia de construção civil, em parceria com a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli USP) e a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), e com o apoio do Green Building Council Brazil (GBC Brazil) e do Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS), o Consórcio tem como objetivo definir condutas e normas de qualidade para o desenvolvimento de soluções e produtos que atendam à necessidade de adoção de práticas, processos e recursos que promovam a eficiência energética e consequentemente a redução do consumo de energia em condicionamento. "É fundamental que tenhamos toda a cadeia envolvida no desenvolvimento de tecnologias que atendam às novas necessidades energéticas", afirma o Professor Vanderley John, da Escola Politécnica da USP.

Serão apresentadas na Feicon as tecnologias desenvolvidas pelas empresas do Consórcio para produzir telhados e revestimentos frios e novas soluções para aplicações complementares à impermeabilização, vedação, melhoria do desempenho térmico de telhados, lajes e fachadas. Estes produtos serão os primeiros a terem o escopo de qualidade definido pelas diretrizes do Consórcio.

As superfícies frias surgiram da necessidade de redução da energia necessária para o conforto térmico em edifícios e áreas urbanas, pela redução das ilhas de calor, que pode adicionar até mais 10ºC a temperatura das grandes cidades. Trata-se de uma tecnologia limpa, de baixo custo, que deverá colaborar para melhorar o conforto e reduzir o consumo de energia do País.

O objetivo do consórcio é criar condições técnicas e institucionais para que os produtos frios que cheguem ao mercado tenham excelente desempenho aliado a uma alta durabilidade nas condições mais adversas, que incluem incidência direta de radiação solar, água, umidade e microorganismos.