World GBC pavimenta um caminho para um varejo mais verde e sustentável

Compartilhe:

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email

Publicada em: 25/04/2016

Clientes optam por espaços de vendas mais sustentáveis, de acordo com um estudo recém-lançado pelo World Green Building Council.

O relatório Saúde, Bem-Estar e Produtividade no Varejo: O Impacto de Construções Sustentáveis em Pessoas e Lucros demonstra que lojas que contam com elementos chave da sustentabilidade, incluindo iluminação natural, ventilação natural e elementos verdes podem incentivar pessoas a entrar, ficar e comprar mais do que em lojas tradicionais.

O relatório mostra uma estrutura de suporte que pode ser usada pelos donos de varejos para melhorarem as suas lojas.

Apesar do aumento no interesse em saúde e bem-estar no setor imobiliário, a maioria dos varejistas perde a oportunidade de entender melhor como o ambiente físico de comércio pode afetar funcionários e clientes.

O WGBC relata que foi uma abordagem importante para o setor. Por exemplo, no Reino Unido, varejos são responsáveis por 43% do valor total de imóveis comerciais. Esta categoria também é a maior emissora de CO2 dentro do setor comercial. "Os dias dos "varejos cinzas" estão contados. Um novo tipo de negócio que entende que melhores ambientes de comércio levam à melhores experiências para clientes - que por sua vez levam à melhores situações financeiras - está surgindo." diz Terri Willis, CEO do WGBC.

"Este relatório permite varejistas olharem suas propriedades para entendê-las e melhorar seu desempenho financeiro. Ambientes físicos mais sustentáveis podem levar a maiores lucros, e por fazer isto, fortalecer o diferencial de edifícios sustentáveis e mais saudáveis."

Estudos de caso no relatório incluem propriedades no Reino Unido, Espanha, Ásia e Estados Unidos. Também incluem centros de vendas como o Stocklands Wetherill Park e Lendlease's Barangaroo South.

"Na Lendlease, sempre colocamos o bem-estar das pessoas em primeiro lugar. Considerando a saúde de nossos funcionários ou dos que residem, trabalham, ou compram nos lugares que criamos," diz Paul King, diretor geral, de sustentabilidade, comunicações e marketing da Lendlease Europa.

"Este relatório é outro marco importante em termos de nossa habilidade em demonstrar os benefícios financeiros e comerciais trazidos pelo foco na saúde e bem-estar aplicados ao varejo, que traz também importantes lições para a indústria."

O relatório foi liderado pelo Green Building Council do Reino Unido e seus membros, e também contou com conhecimentos de empresas e organizações globais, dentro da rede do WGBC.
O grupo do Reino Unido foi composto pela Arup Associates; BCSC; British Land; Bouygues Development; Buro Happold; CBRE; Cushman & Wakefield; JLL; John Lewis Partnership; Kingfisher PLC; Land Securities; Marks & Spencer; Saint-Gobain; The Crown Estate e Uponor. O grupo internacional inclui: B+H; EBS; Great Eagle Holdings; Hong Kong Green Building Council; Hysan Development Company Ltd; Langham Place Mall; Lendlease; Rhysom; Saint-Gobain; Stockland Swire Properties Ltd; Tishman Speyer; Uponor and Woolworths.

Richard Francis, diretor da equipe do projeto e também diretor da Monomoy Company, diz que varejistas tiveram uma vantagem sobre outros setores por entenderem o comportamento de consumidores, desde a quantidade de tempo despendida em lojas até especificamente onde este tempo é gasto.

"Ligar o comportamento a projetos de lojas sustentáveis será um catalisador para maiores mudanças na indústria - mudanças que irão levar a melhores espaços de varejo para consumidores, funcionários, varejista e meio ambiente," diz Francis.

Novas evidências 

Ambientes de varejo sustentáveis estão se tornando mais atrativos para clientes e potencialmente mais lucrativos para varejistas incluem:

- Pesquisa pelo Conselho Internacional de Shoppings Centers sugere que centros de estilo de vida, lojas a céu aberto conectadas por calçadas e mais conectados com a natureza, obtêm melhor desempenho do que shoppings convencionais em termos financeiros, com maior número de visitantes e de visitas repetidas.

- O grupo varejista americano Walmart desenvolveu uma loja conceito na qual apenas metade da loja possui iluminação natural. Foi descoberto que nesta área, as vendas por metro quadrado foram significativamente maiores.

- Pesquisas também demonstram que clientes são mais suscetíveis a comprar mais produtos em lojas com arredores naturais. Quando mostradas imagens de lojas de varejo, clientes classificaram aquelas com elementos verdes como "amigáveis", dizendo que passariam mais tempo e visitariam com mais frequência, e que ainda estariam dispostos a pagar mais pelo mesmo produto oferecido em lojas com arredores naturais.

Um roteiro para medir saúde, bem-estar e produtividade no varejo

Três maneiras em que os varejistas podem começar a entender como seus espaços impactam seus ocupantes e o desempenho da organização. 

- Ambiente: os elementos físicos de um local de varejo podem ter um impacto em clientes e funcionários - incluindo qualidade do ar, conforto térmico, iluminação artificial e natural, acústica, vistas e biofilia, layout, percepção tátil, design inclusivo e ativo, espaço comunitário e comodidades.

- Experiência: como funcionários e clientes percebem o espaço que ocupam, através de pesquisas ou estudos perceptivos.

- Financeiro: resultados organizacionais e financeiros podem ser impactados pelo ambiente e experiência. Incluindo custos, reclamações de saúde e do edifício, receita relativa aos consumidores, incluindo vendas, tempo de permanência, lealdade, distancia percorrida e marca da empresa.
Faça o download do estudo: Saúde, Bem-Estar e Produtividade no Varejo: O impacto de Edifícios Sustentáveis em Pessoas e Lucro.

Acesse o estudo, clicando aqui