Empregos do futuro estão na energia renovável

Compartilhe:

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email

Publicada em: 28/04/2017

Em um momento em que o presidente americano Donald Trump promove o desmonte das políticas energéticas ambientalmente limpas do ex-presidente Barack Obama, o norueguês Erik Solheim, 62 anos, diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, o Pnuma, reafirma o que vem sendo dito por analistas: que os empregos do futuro estão na indústria da energia renovável. "Se criar empregos é prioridade, energias renováveis fazem todo sentido", diz.

O estímulo aos combustíveis fósseis pode ameaçar os próprios EUA com risco de "perder grande volume de empregos que irá acontecer em outras partes do mundo", diz Solheim, ex-ministro do Desenvolvimento e do Meio Ambiente da Noruega. A transformação rumo à economia verde é um movimento que "não pode ser contido por decreto", diz. "As oportunidades de emprego no setor de energia solar crescem 12 vezes mais rápido que o resto da economia dos EUA", compara.

Solheim foi um dos arquitetos do Fundo Amazônia, chefiou o comitê de assistência ao desenvolvimento da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e agora está em cruzada mundial no combate à poluição - vetor que mais causa mortes prematuras no mundo. Nos EUA são ao menos 200 mil ao ano, mais que o dobro do total das vítimas de Alzheimer. Os cortes no orçamento da agência ambiental americana, a EPA, tendem a piorar o quadro já que transportes são a grande fonte de poluição do ar.

Outra previsão perturbadora é que a estima que em 2050 haverá mais plásticos nos oceanos do que peixes. Solheim defende uma "nova economia do plástico" em que se garanta que sejam recicláveis e degradáveis. "E que o plástico, que é um material muito útil, seja usado apenas onde necessário", diz.

Leia a entrevista, clicando aqui